Aquelas dúvidas que surgem sobre o treino...

Com a ampla difusão do treinamento funcional nos últimos anos, diversas questões surgem. Aqui listamos algumas das principais dúvidas e quais consideramos ser as respostas mais adequadas.



"Estou parado há muito tempo. O treinamento funcional serve para mim?"

Sim! Assim que um possível aluno nos procura para iniciar os treinos, questionamos se ele tem alguma lesão ou patologias e se está treinando ou não. Dessa forma, é possível identificar em que nível de condicionamento físico ele se encontra: sedentário, mudando de estilo ou bem treinado. A partir de então, conseguimos inseri-lo nas nossas etapas de transição.


Caso seja mais iniciante, vamos inclui-lo desde o princípio, trabalhando muito com o peso corporal e cargas leves; caso já esteja treinando e domine as técnicas de execução, será incluído em etapas mais avançadas, com variações mais complexas dos exercícios. Ou seja, o condicionamento físico, em qualquer nível, é fundamental para definirmos o ponto de partida e para traçarmos o melhor plano para a evolução de cada aluno.


"O treinamento funcional pode me ajudar em outras modalidades (bike/corrida/futebol/lutas...)?"

Com certeza! Por trabalhar o corpo de uma forma global, o treinamento funcional consegue fortalecer diversas regiões do corpo ao mesmo tempo. Com isso, é possível condicionar fisicamente para qualquer outra modalidade Equipes de futebol, vôlei, basquete, entre outros esportes se utilizam de exercícios funcionais como preparação para jogos e competições.


Aqui na FORTEM, recebemos diversos atletas amadores de outras modalidades que buscam, justamente, um espaço que prepare para os esportes que praticam: corrida, futebol, lutas, natação, entre outros.


"O treinamento funcional é 'mais leve', certo?"

Nem sempre! Como dizemos aqui no estúdio, sempre podemos dificultar. À medida que é observada ou que o aluno nos indica que determinado exercício está mais fácil de realizar, podemos alterar a variação ou acrescentar mais carga ao movimento. A comunicação entre o treinador e o aluno nesses momentos é fundamental!


Ainda, o ritmo de treino é dado pelo aluno: se ele tem um ritmo mais forte, com menos intervalos, será mais intenso e, consequentemente, mais exigente. Se o aluno é resistente em aumentar cargas ou insere intervalos mais longos, pode ser mais fácil a rotina de treinos. O ritmo interfere na percepção nesse caso!


"Por que treinamos de pés descalços?"

Nossos calçados foram desenvolvidos para proteger o pé contra machucados, prevenir lesões e, até mesmo, evitar cortes na rua, pisar em uma pedra, por exemplo. A indústria calçadista tem evoluído, inserindo mais tecnologia e com propostas para atividades físicas. Existem tênis para corrida, para treinos em academia e para diversas outras modalidades, então por que ainda assim treinamos descalços?


Quando realizamos atividade descalço, nós ativamos uma série de músculos que temos na sola do pé e receptores que controlam nosso equilíbrio. Com isso, fortalecemos a região, evitando algumas disfunções que podem ser causadas pela sua pisada.


Além disso, muitas vezes durante o treino, o treinador pode identificar alguma correção necessária em exercícios, principalmente no levantamento terra e nos agachamentos. Por vezes, essas correções podem passar pela falta de ativação do arco plantar, que gera sobrecarga no joelho. Isso só será identificado se o aluno estiver descalço.


É importante ressaltar que a maioria dos calçados possuem algum gel ou solado que pode interferir na ativação importante do arco plantar no treino. Caso você prefira treinar de tênis, a nossa recomendação é: use um tênis de solado liso, ao menos seu pé estará reto e não terá nenhum item de amortecimento interferindo na hora de realizar os movimentos. Cuide dos seus pés, eles também fazem parte de um treinamento funcional!


Você tem outras dúvidas sobre o treinamento funcional? Deixa nos comentários para a gente!


#treinamentofuncional #treinamentofísico #atividadefísica #saúde

10 visualizações0 comentário